A petrolífera TotalEnergies adiou por mais dois anos, para 2026, a previsão de produção de gás natural liquefeito em Cabo Delgado, região norte de Moçambique sob conflito armado, de acordo com a mais recente informação a investidores. “Moçambique LNG (gás natural liquefeito, sigla inglesa): adiado para 2026”, lê-se no documento divulgado na terça-feira e consultado ontem pela Lusa.

 

A previsão anterior apontava para 2024, mas a ocupação terrorista da vila de Palma, nas imediações das obras do projecto, no final de Março, levou à suspensão do empreendimento liderado pela Total. Na altura, a empresa apontou para um ano de paralisação, regressando quando estivesse garantida a segurança.

 

Adriano Maleiane, ministro da Economia e Finanças moçambicano, disse ontem no Fórum sobre a Resiliência em África, em Abidjan, que a retoma pode até acontecer mais cedo.

 

Depois da retoma da actividade, deverão começar as principais obras de construção civil e de instalação de tecnologias, sendo que o primeiro carregamento de gás por via marítima, abrindo portas às receitas do projecto, está agora previsto pela própria petrolífera para 2026. O empreendimento é o maior investimento privado em curso em África, da ordem dos 20 mil milhões de euros.

 

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico. O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projecto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, números das autoridades moçambicanas.

 

Desde Julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde Agosto de 2020. (Lusa)

Fonte: Carta de Moçambique

Leave a Reply

Your email address will not be published.