O número de pessoas afetadas corresponde a um total de 11.022 famílias, havendo 43 pessoas que ficaram feridas, desde 01 de outubro de 2021, refere o INGD no documento, citado ontem pela Lusa.As mortes, 11 das quais registadas na Zambézia, província do centro de Moçambique, foram causadas por relâmpagos, arrastamento de águas, desabamento de residências e queimadas descontroladas.A atual época das chuvas causou ainda a destruição parcial e total de 5.588 casas e inundou outras 5.759, além de destruir também 987 salas de aulas de construção precária e convencional, afetando 114.110 alunos e 385 escolas.Segundo as autoridades, as intempéries afetaram oito unidades hospitalares, 55 casas de culto e 70 postos de energia.Moçambique está a meio da época chuvosa e ciclónica, que ocorre entre os meses de outubro e abril, com tempestades oriundas do Índico e cheias com origem nas bacias hidrográficas da África Austral.O Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) de Moçambique alertou, no domingo, para a possibilidade de formação de um ciclone, que pode implicar riscos para o país.As águas quentes desta altura do ano no oceano Índico, incluindo no canal de Moçambique, são um dos fatores que contribuem para a formação de ciclones que costumam atingir a costa moçambicana.O período chuvoso de 2018/2019 foi dos mais severos de que há memória em Moçambique: 714 pessoas morreram, incluindo 648 vítimas de dois dos maiores ciclones (Idai e Kenneth) de sempre a atingir o país.

Fonte: Folha de Maputo

Leave a Reply

Your email address will not be published.