As 22 famílias, que a 12 de Agosto passado perderam casas, em consequência de um incêndio no bairro Chamanculo “D”, na cidade de Maputo, ainda vivem no centro de acomodação, onde o município as deixou. A edilidade falhou o prazo de 30 dias para entregar as residências. O Município avança uma nova data, que é até ao próximo fim-de-semana.

Foi há 12 de Agosto em que o fogo roubou tudo a estás famílias, restando apenas a esperança. Volvidos 40 dias, as casas já foram reerguidas, mas está a demorar a sua conclusão, diz Adelifina Macuácua, uma das vítimas que, ao mesmo tempo, é beneficiária. Na altura dos factos, foi dito que, em 30 dias, as famílias voltavam a ocupar os seus lares, o que até hoje não aconteceu. “Para mim, já está a demorar, já estamos cansados de ficar lá, queremos sair para os nossos afazeres, porque não estamos acostumados a ficar no mesmo sítio. Estamos acostumados em acordar e ir ao mercado, fazer biscates. Estou a acompanhar o decurso das obras e gosto”.

O Município de Maputo e outras entidades ofereceram material de construção, incluindo assistência técnica, os beneficiários e vizinhos participaram com a mão-de-obra na construção das novas casas feitas com base em madeira e zinco.

Luisidio Vilankulos é um dos que ajudam e diz sentir-se bem em colaborar para retorno dos seus vizinhos. “Como estás a ver, estamos quase para ultimar tudo, agora estamos na montagem das portas, depois vamos montar tudo e janelas, vamos trabalhar para concluir”.

O Município de Maputo, através do vereador do Distrito Municipal KaLhamanculo, contactado ao telefone, disse que o atraso se deve à chegada tardia das portas e janelas e garante que, até ao próximo fim-de-semana, estará tudo concluído. Mas, no terreno, estava Florêncio Anselmo, um dos técnicos da Direcção de Acção Social do Município, que fez o ponto de situação das obras, garantindo que tudo está a ser feito para devolver a dignidade àquelas 21 famílias. “Desde já, nós estamos a monitorar para que haja conclusão em repor as janelas e colocação das portas, tendo em conta que as portas já estão aqui e as janelas também já estão a caminho e a electrificação das próprias casas e isso já vai acontecer dentro de dias”.

Das 22 famílias vítimas do incêndio, uma preferiu receber material de construção e foi erguer nova casa no Município de Boane, na província de Maputo.

Fonte:O País

Leave a Reply

Your email address will not be published.