taxaMIMO min

O Governo através do Ministério da Economia e Finanças (MEF) prevê o agravamento da taxa de juro de política monetária (taxa MIMO) entre 2023 a 2025, com vista a minimizar a subida generalizada de preços de bens e serviços.

 

A previsão consta do boletim “Cenário Fiscal de Médio Prazo 2023 -2025” divulgado há dias pelo MEF. Debruçando-se sobre os riscos à economia, no próximo triénio, o documento revela que a possibilidade de aceleração da taxa de inflação para níveis acima do projectado constitui uma fonte de risco importante para o presente quadro macro-fiscal.

 

“A actual conjuntura internacional caracterizada pelo conflito entre a Rússia e Ucrânia gera incertezas em torno da trajectória dos preços das mercadorias alimentares e energéticas a nível mundial. As perspectivas dos preços internacionais destas mercadorias apontam para uma aceleração no médio prazo se persistir o conflito entre aqueles dois países”, lê-se no documento.

 

Como consequência do conflito, o MEF afirma que os preços domésticos poderão aumentar, uma vez que o país é importador líquido de bens essenciais, em especial, cereais e combustíveis. A fonte aponta que o aumento dos preços de bens alimentares e dos combustíveis no mercado interno irá afectar o índice geral de preços, com a possibilidade de criar pressão sobre as rubricas de despesas indexadas à inflação, como os casos das despesas com salários e remunerações, bens e serviços, pensões e assistência social às populações.

 

O MEF diz que o risco da inflação poderá ser minimizado através de uma postura de aperto da política monetária pelo Banco Central, para manutenção da inflação baixa e estável, sem, porém, afectar esforços para o crescimento económico.

 

“As perspectivas de aceleração da inflação poderão incrementar as taxas de juro domésticas com efeito sobre o serviço da dívida interna. Níveis de inflação elevados poderão requerer um aperto da política monetária no médio prazo através do agravamento da taxa de juro de política monetária (MIMO) e a sua repassagem para as taxas de juro do mercado com efeito sobre o serviço da dívida com taxas de juro flexíveis”, lê-se no Cenário Fiscal de Médio Prazo.

 

Refira-se que, em finais de Março passado, o Banco de Moçambique fez o primeiro agravamento da Taxa MIMO em 200 pontos bases, de 13.25% para 15.25%. O Banco justificou a decisão com a revisão em alta das perspectivas de inflação para o curto e médio prazo, influenciada principalmente pela guerra na Ucrânia. (Carta)

Fonte: Carta de Moçambique

Leave a Reply

Your email address will not be published.