Soldados sul-africanos começaram a chegar à província de Cabo Delgado, no extremo norte de Moçambique, como parte de uma força de prontidão regional que está sendo enviada para ajudar Moçambique a derrotar extremistas violentos afiliados ao Estado Islâmico.

 

Oficiais do governo sul-africano e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e analistas de segurança locais confirmaram que elementos importantes da força de prontidão da SADC – incluindo o seu comandante sul-africano – já se encontravam em Moçambique.

 

Fontes militares disseram que pequenos contingentes de forças especiais da equipa de prontidão, incluindo sul-africanos, foram transportados para Pemba, capital da província de Cabo Delgado, na segunda-feira. Foram partilhadas imagens de um grupo da Força de Defesa Nacional da África do Sul (SANDF) desembarcando de uma C-130 Hercules (que também transportava equipamento), aparentemente no aeroporto de Pemba.

 

Esta semana, o DA (partido Aliança Democrática) apelou à Ministra da Defesa, Nosiviwe Mapisa-Nqakula, para atrasar o envio de tropas da SANDF a Moçambique até que houvesse “certeza absoluta de que as ameaças à segurança interna foram contidas”.

 

O porta-voz da defesa do DA, Kobus Marais, disse no sábado que o envio de 25.000 soldados da SANDF para KwaZulu-Natal e Gauteng para garantir a estabilidade e segurança após os saques e incêndios criminosos da semana passada “vai levar nossas capacidades de defesa nacional ao limite”

 

“A prioridade deve ser dada à estabilização da situação de segurança no país e ao restabelecimento da lei e da ordem. A capacidade da África do Sul de cumprir suas obrigações de assistência militar internacional só é possível se nossa própria segurança interna for estável e segura”, disse Marais.

 

No entanto, parece que o ministro da defesa decidiu prosseguir com a missão em Moçambique. (Daily Maverick)

Fonte: Carta de Moçambique

Leave a Reply

Your email address will not be published.