cabodelgado ataque min

Pelo menos seis pessoas foram raptadas nas machambas da aldeia Mungano do Rovuma, que dista a cerca de 15 quilómetros, da sede do distrito de Nangade, norte de Cabo Delgado. O rapto ocorreu no último sábado e as vítimas são produtores que tinham ido às suas machambas à busca de produtos alimentares para consumo.

 

Fontes relataram à “Carta” que as famílias que se encontram deslocadas na sede do distrito de Nangade, em resultado de frequentes ataques nas respectivas zonas, deslocam-se às suas aldeias, sobretudo as mais próximas da vila, para arranjar comida, devido à situação de fome que enfrentam nos últimos dias.

 

Ao que “Carta” apurou, as organizações humanitárias já não dão assistência alimentar, sendo que a última vez foi em Maio, aquando da visita do Governador de Cabo Delgado Valige Tauabo e do Secretário do Estado, António Supeia, àquele distrito. Mesmo assim, a ajuda alimentar não era suficiente para todas as famílias em situação de deslocados.

 

Já em Muidumbe, um grupo de terroristas queimoudezenas de casas, na aldeia Mapate, na passada quinta-feira. O ataque deixou sem abrigo diversas famílias, algumas das quais, acabadas de regressar de outros pontos de Cabo Delgado e Nampula, onde se tinham refugiado. 

 

 

Um residente na sede do distrito de Muidumbe disse à “Carta” que diversos bens foram queimados, incluindo produtos alimentares, pelo que nos próximos dias se antevê uma situação de muita fome para as famílias, que não dispõem de assistência humanitária.

 

Segundo a fonte, quando os terroristas entraram em Mapate, a população pôs-se em fuga e uma pessoa ficou ligeiramente ferida numa das pernas. A fonte disse ainda que as forças locais não responderam a incursão dos atacantes, alegadamente, porque o número era maior em relação ao seu efectivo.

 

Depois do ataque, as forças do Ruanda e locais posicionadas em Namacande foram despachadas para perseguir o grupo, numa altura em que tudo dava a entender que já tinham atravessado o rio Messalo para Macomia. (Carta)

Fonte: Carta de Moçambique

Leave a Reply

Your email address will not be published.