A POLÍCIA da República de Moçambique (PRM) reconhece a necessidade de aprimorar a sua capacidade de intervenção ante as mais variadas facetas do crime.

O reconhecimento foi manifestado, ontem, pelo comandante-geral, Júlio Jane, na audiência que o Presidente da República, Filipe Nyusi, concedeu à direcção do Comando-Geral da Polícia, por ocasião do 42.º aniversário da PRM.

A direcção do Comando-Geral da Polícia e o Ministro do Interior, Jaime Basílio Monteiro, foi ao gabinete de trabalho do Presidente da República saudar o Comandante-Chefe das Forças de Defesa e Segurança (FDS) pelos esforços por si empreendidos na busca da paz efectiva, condição indispensável para a consolidação da unidade nacional e o impulsionamento do desenvolvimento harmonioso do país e bem-estar de todos os cidadãos.

Na ocasião, a PRM renovou o seu cometimento patriótico e de fidelidade à nação moçambicana e obediência ao Chefe do Estado. As celebrações deste ano decorrem sob o lema “PRM, 42 anos na vanguarda da luta contra a criminalidade, na harmonia e convivência social”, com um apelo à redução dos conflitos no seio das famílias moçambicanas e aposta no diálogo.

“O lema reflecte o nosso cometimento de luta contra as variadas facetas do crime, cujas metamorfoses desafiam a corporação a acutilar e a aprimorar as suas capacidades de intervenção. Cientes de que a segurança pública é um direito constitucionalmente consagrado, reiteramos o nosso empenho na luta contra a criminalidade organizada, em todas as suas vertentes e manifestações, dando o nosso melhor, mesmo que isso custe a nossa vida, pois juramos servir fielmente a pátria moçambicana”, disse o comandante-geral da Polícia.

Sublinhou que a corporação continua a aprimorar as suas acções na prevenção de acidentes de viação, que ceifam vidas nas estradas e danificam as infra-estruturas e património público e privado, dando primazia à educação rodoviária aos utentes da via pública, à fiscalização ostensiva e ao controlo de velocidade e de álcool.

“Constitui, igualmente, desafio da PRM a aplicação do conhecimento na prevenção e combate aos crimes de rapto, roubo com recurso à arma de fogo, violência doméstica, caça furtiva e a extração ilegal dos recursos naturais. Continuaremos empenhados na prevenção e combate aos crimes de pequena monta, que dilaceram o património dos cidadãos, através do reforço da ligação Polícia – comunidade, uma ferramenta valiosa centrada na prevenção”, prometeu Júlio Jane.

A nível regional e internacional, a PRM, junto das suas congéneres, continuará a monitorar permanentemente as tendências do crime organizado e transfronteiriço, no quadro da cooperação em matéria de polícia.

O comandante-geral da Polícia da República de Moçambique salientou que, nas várias frentes, os membros da corporação cumprem a sua missão de garantia da ordem, segurança e tranquilidade públicas, permitindo a livre circulação de pessoas e bens, salvaguardando os direitos e liberdades fundamentais dos cidadãos em todo o território nacional.

Intervindo na ocasião, o Comandante-Chefe das FDS agradeceu a saudação e reafirmação da fidelidade da PRM na defesa da Constituição da República.

“Só uma corporação organizada, com princípios, valores e práticas éticas e profissionais, orientadas para a prossecução da segurança pública e bem-estar dos cidadãos, como desideratos colectivos de uma nação, pode fazer jus ao lema escolhido para a comemoração desta efeméride. Por isso, não basta comemorar com pompa e circunstância mais um ano de existência. É importante que a nossa celebração seja de actos que concorram para o bem-servir ao cidadão. É na satisfação das expectativas crescentes da nossa sociedade, em relação à eficácia da Polícia, que deve residir o regozijo da nossa Polícia pelo dever cumprido, no âmbito das suas atribuições constitucionais”, indicou o Chefe de Estado.

Fonte:http://www.jornalnoticias.co.mz/index.php/politica/67592-prm-desafiada-a-esmerar-capacidades-de-intervencao.html

Leave a Reply

Your email address will not be published.