Apesar de o saco de cimento 32,5N da Dugongo (295,00 Mts) estar bem abaixo do preço da África do Sul (76 Randes, ou seja, 340,00 Mts), há pouco menos de duas semanas o preço teve uma subida de 15 Meticais, abalando os sectores mais jovens da sociedade: o cimento da marca tinha sido “milagreiro”, quando em meados de Abril entrou no mercado, quebrando os preços especulativos que alimentavam os chorudos lucros de um pequeno cartel que vendia o saco de 50kg a cerca de 500 Meticais); a Dugongo baixara radicalmente o custo do produto, tornando-o mais acessível às bolsas carentes de milhares de moçambicanos que procuram construir habitação própria.

 

O aumento de 15 meticais no preço do cimento causou calafrios. Será que a Dugongo havia ludibriado os moçambicanos, “vendendo” uma baixa de preços que era afinal sol de pouca dura? Parece que não, de acordo o que “Carta” apurou.

 

Antes da entrada da Dugongo no mercado, o saco de cimento custava 480.00 Mts, sendo na altura 1USD =75.00, o que significava que um saco custava 6.4 USD. Com a entrada em funcionamento da Dugongo, o cimento baixou até 280.00 Mts, e tendo em conta que 1 USD = 60, o saco de cimento está USD 4.6.Objectivamente, a redução é de USD 1.8, ou seja 108.00 Mts.

 

Mas, em finais de Agosto, a Moçambique Dugongo Cimentos emitiu um comunicado anunciando a revisão em alta do preço do cimento 32,5N a partir de 01 de Setembro. O saco de 50 kg passou a custar mais 15 Meticais e o cimento 32,5N a granel mais 300 Meticais por tonelada.

 

As razões por trás do aumento são várias. A principal tem que ver com o custo de importação de carvão de queima (o carvão térmico usado usado para seus fornos; a Dugongo não usa eletricidade da EDM). O custo por tonelada passou em pouco tempo de 40 para 88 USD. A Dugongo havia começado a operar num contexto em que a pandemia da Covid estava em alta e a produção e procura do carvão de queima baixaram consideravelmente o seu preço.

 

Mas à medida que a condição global da Covid melhora, o preço do carvão de queima tem vindo a aumentar. Foi isso o que aconteceu recentemente. Mas não foi apenas o preço do carvão a ter impacto negativo no custo de produção do cimento. O gesso, uma matéria fundamental, também subiu, este de 26 para 39.5 USD por tonelada/CIF (colocado no destino, com seguro e frete pagos). Também a limalha de ferro, ou seja, o ferro em pó, outro ingrediente do cimento, tem vindo a subir.

 

“O preço do cimento em Moçambique nunca voltará aos níveis especulativos de antes”

 

Ou seja, o preço do cimento da Dugongo poderá vir, ainda, a ter no futuro pequenas subidas de ajuste consoante a oscilação do custo das matérias-primas. Um dos desafios da empresa é garantir que o custo do calcário se mantenha a um nível estável. O calcário é a principal matéria-prima para a produção de clínquer, responsável por 90% da composição do cimento.

 

Em Matutuíne, onde a Dugongo está instalada, há enormes reservas de calcário, e foi por isso que a fábrica assentou os arraiais naquele lugar. E visto de longe, até pode parecer que o calcário no local é extraído de mão beijada. Mas não. Há desafios inerentes. Um deles é o calcário disponível para a empresa, uma concessão limitada de 600 hectares. Por outro lado, há milhares e milhares de hectares concessionados a gente que não produz e que está sentada por cima do recurso à espera de uma oportunidade de renda.

 

Neste momento, a fábrica está extraindo calcário numa área onde o recurso a uma encontra-se a uma profundidade de 20 metros. Nesta situação, a extração tem o seu custo…5 USD por Toneladas. E quando mais fundo mais oneroso.

 

Seja como for, a recente subida de 15 meticais no saco de cimento é um sinal de que a formação do preço final do produto dependerá de factores, incluindo exógenos, como o custo da matéria-prima. Mas, uma coisa é certa, garante Sa Qi, o Director Geral da Dugongo, em breve conversa com Carta: “O preço do cimento em Moçambique nunca voltará aos níveis especulativos de antes”.

 

Aliás, neste momento, o preço da Dugongo bate toda a região, a começar pela África do Sul, com quem gostamos de nos comparar, a referência regional para boa oferta. Enquanto o saco do cimento Dugongo 32.5 N continua abaixo dos 300 Meticais na região de Maputo, na África do Sul as várias marcas custam não menos que 75 Randes, o equivalente a 343 Meticais. (Marcelo Mosse)

Fonte: Carta de Moçambique

Leave a Reply

Your email address will not be published.