O FLUXO das transacções com a União Europeia (UE), nos últimos dez anos, coloca este bloco económico como principal parceiro comercial de Moçambique.

Durante o período em causa o fluxo de exportações para a UE totalizou 14.158,06 milhões de dólares norte-americanos, o correspondente a 38 por cento do total das exportações do país.

Apesar de ter sofrido uma redução global de 63 por cento, a balança comercial com a União Europeia em 2019 e 2020 foi favorável a Moçambique, com uma exportação de 504,1 e 197,3 milhõesde dólares norte-americanos, respectivamente.

Os dados foram avançados ontem, em Maputo, pela Vice-Ministra da Indústria e Comércio, Lodovina Bernardo, no Webinar sobre “Dinâmicas das Exportações para a União Europeia, mesmo em tempo de Covid-19” em Moçambique.

Segundo ela, aincidência das exportações de Moçambique para a UE, continua a ter pouca participação das Micros Pequenas e Médias Empresas (MPME) eainda é centrada em matérias-primas como barras e perfis dealumínio,tabaco não manufacturado e seus desperdícios.

Outros produtos são o carvão, minérios de titânio, crustáceos/peixe, óleos de girassol de cártamo, de algodão, castanha de caju e açúcar, fibra de algodão, grafite e frutas diversas.

Os produtos da União Europeia são 10por centodas importações totais de Moçambique, principalmente para os industriais.

De acordo com Lodovina Bernardo, abusca sustentável e competitiva de mercados com condições preferenciais para a valorização do potencial produtivo local de Moçambique, é um dos objectivos do Governo, especialmente deste ciclo iniciado em 2020, com vista a maximização e diversificação das exportações e investimentos com impacto na melhoria da balança comercial.

Por seu turno, o Embaixador da União Europeia em Moçambique, António Sánchez-Benedito Gaspar, considera que mesmo no actual contexto económico que é desafiador para todos os países, é crucial continuar a promover o desenvolvimento, avaliar as potencialidades e as oportunidades de investimento que se apresentam.

O diplomata acrescenta que a UE é o maior parceiro comercial de Moçambique, é o principal destino de exportação nacionais, e é a origem da importação de mais produtos para o país.

“Queremos continuar a potencializar esta parceria em prol do desenvolvimento e crescimento económico de Moçambique, criando também maiores oportunidades de investimento para o sector privado europeu. A União Europeia, a nível mundial, continua a ser o mercado mais aberto às exportações africanas”, garantiu o diplomata.

António Sánchez-Benedito Gaspar, defende a união de esforços entre o sector público e privado e os parceiros como a União Europeia e os seus Estados-membros, para estimular o investimento estratégico.

Fonte:Jornal Notícias

Leave a Reply

Your email address will not be published.