A Confederação Africana de Futebol aprovou a candidatura de Moçambique para acolher a fase final do Campeonato Africano das Nações de Futsal, em 2024. O país recebe outro voto de confiança do organismo que gere o futebol africano para acolher mais uma competição continental, depois do CAN de Futebol de Praia, agendado para Outubro deste ano.

Moçambique volta a merecer confiança da Confederação Africana de Futebol para acolher provas continentais. A próxima prova é o Campeonato Africano das Nações de Futsal, agendado para 2024.

A organização do evento foi indigitada a Moçambique pela Confederação Africana de Futebol (CAF), durante a realização da Assembleia-Geral, que decorreu fim-de-semana, em Rabat, Marrocos.

Para o presidente da Federação Moçambicana de Futebol, Feizal Sidat, esta atribuição do CAN de Futsal para o país engrandece o desporto moçambicano. “É uma satisfação a aprovação da nossa candidatura para realizar o CAN de Futsal em 2024. Essas realizações estão no nosso manifesto eleitoral”, começou por dizer Sidat.

Para o dirigente moçambicano, esta aprovação “é importante para melhorarmos as infra-estruturas e o turismo, para além de ajudar a melhorar a performance das nossas selecções”.

Contudo, mais do que ajudar na melhoria das infra-estruturas e na elevação dos níveis competitivos das selecções nacionais, esta atribuição é uma forma de projectar o país, que poderá estar mais próximo de acolher o Campeonato Africano das Nações de futebol, em seniores.

“Mais importante é que a FIFA e a CAF acreditem que Moçambique pode, um dia, receber o CAN de seniores. Uma das condições primordiais é acolher um ou dois CAN de qualquer outra modalidade de futebol, para que possamos acolher o CHAN ou CAN, mas também, se tivermos condições, melhorar e construir alguns estádios”, referiu o presidente da Casa do Futebol.

Feizal Sidat diz que a vitória é de todo o povo moçambicano e, por isso, há que se juntar forças para que a prova seja um sucesso. “É mais uma vitória do nosso país, e o importante é juntarmo-nos todos para que possamos acolher o CAN com alegria e profissionalismo e preparar a nossa selecção. Sem dúvida, com o apoio do Governo, vai ser importante termos essas realizações”, disse Sidat.

O presidente da Federação Moçambicana de Futebol, que esteve presente na Assembleia-Geral da Confederação Africana de Futebol, não deixou de agradecer ao Governo pelo apoio que presta para a realização destas provas internacionais no país. “Quero agradecer ao Governo por dar-nos este apoio, que é importante, porque temos que demonstrar que somos um país adulto, de turismo, e que pode construir infra-estruturas; um país que pode realizar essas competições. Por isso quero agradecer imensamente o apoio do povo moçambicano”, concluiu.

Esta é a segunda prova africana que o país vai acolher, depois do Futebol de Praia, prova que terá lugar em Outubro próximo, em Inhambane, concretamente em Vilankulo.

 

CAN DA COSTA DO MARFIM ADIADO PARA JANEIRO DE 2024

A Assembleia-Geral da Confederação Africana de Futebol, CAF, aprovou várias medidas para os próximos anos, com destaque para o adiamento da fase final do Campeonato Africano das Nações, inicialmente agendado para Junho e Julho de 2023.

Numa conferência de imprensa realizada em Rabat (Marrocos), logo após o fim da Assembleia-Geral do organismo que gere o futebol africano, o respectivo presidente, Patrice Motsepe, anunciou este adiamento e justificou a decisão com as fortes chuvas que acontecem na Costa do Marfim, naquela altura do ano.

“Sabemos que Janeiro não é o mês ideal para os clubes europeus, mas esta é a única opção que temos. Não podíamos arriscar”, justificou o sul-africano.

Quem também comentou sobre este adiamento é Feizal Sidat, presidente da Federação Moçambicana de Futebol, que disse que já era expectável este adiamento, devido a questões naturais.

“Pensamos nós que era de se esperar essa mudança de datas, tendo em conta que, naquela zona da África Oriental, por essas alturas de Junho, o tempo é bastante húmido; está sempre a chover e as temperaturas são bastante altas. Por isso acredito que esta alteração das datas para Janeiro de 2024 foi muito bem pensada pela CAF”, argumentou Sidat.

Relativamente às implicações que esta decisão pode ter no país, o presidente da Casa do Futebol disse que o mais importante é a qualificação dos Mambas para esta fase final. “Para nós, se isto vai reflectir-se ou não, só o futuro pode dizer. O importante é qualificarmo-nos ao CAN. Portanto, agora, estamos mais focados na nossa qualificação”, justificou Feizal Sidat.

Esta decisão vai contrariar o que tinha sido aprovado em 2017, quando a CAF tinha anunciado que deixaria de realizar o CAN em Janeiro, para terminar uma longa disputa com os clubes europeus. Entretanto, esta vai ser a segunda vez consecutiva em que o torneio acontece nesta altura do ano, depois de o mesmo ter acontecido, em Janeiro e Fevereiro deste ano, nos Camarões, numa prova ganha pelo Senegal.

Outra das medidas aprovadas durante a Assembleia-Geral da CAF é a disputa da Superliga Africana. A Confederação Africana de Futebol deu pormenores sobre a prova que se vai estrear em Agosto de 2023 e que conta com o apoio da FIFA.

O torneio vai contar com as 24 melhores equipas do continente, onde se inclui o Al Ahly do Egipto, equipa em que actua o moçambicano Luís Miquissone, e vai ter um prémio total de 95,9 milhões de euros, cerca de 6,3 mil milhões de Meticais. Deste valor, o vencedor arrebata 9,5 milhões de euros, pouco mais de 626 milhões de Meticais, só pela conquista do título.

A CAF frisou, ainda, que a Liga dos Campeões vai continuar a ser jogada em paralelo e mantém o sistema de qualificação por mérito desportivo nas competições domésticas. A única alteração será o facto de a final voltar a ser a duas mãos, após dois anos em que se disputou em jogo único.

Fonte:O País

Leave a Reply

Your email address will not be published.