“Tricolores” defrontam hoje os “locomotivas do Chiveve” em jogo atrasado da 3ª jornada do Moçambola ZAP

21 de Setembro de 2016. Estádio Nacional do Zimpeto. Minuto 78. Dayo, na zona de critério, bateu o guarda-redes Guirrugo (na altura, no Maxaquene) e assegurou a vitória do Ferroviário da Beira por um a zero diante dos “tricolores”. Um triunfo que abriu as portas para o título, porquanto, na mesma jornada, a União Desportiva do Songo, na altura líder, perdera com o Estrela Vermelha pelo mesmo resultado, de um a zero.

Cerca de sete meses depois, com algumas alterações na sua estrutura, “tricolores” e “locomotivas” do Chiveve voltam a defrontar-se no mesmo palco, desta feita em jogo de atraso da 3.ª jornada do Moçambola Zap 2017. Rejuvenescido, o Maxaquene pretende contrariar o favoritismo do Ferroviário da Beira que está na ressaca da histórica qualificação à fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos de futebol. Motivado pela vitória, domingo, diante da Associação Desportiva de Macuácua (2-0), em jogo da 4.ª jornada do campeonato nacional de futebol, o conjunto orientado por Antoninho Muchanga quer capitalizar este período de graça que atravessa no Moçambola.

Os “tricolores”, aliás, deram excelentes indicações na abertura da prova, quando colocaram em sentido o Ferroviário de Maputo, candidato ao título. Do outro lado, estará um Ferroviário da Beira que ainda não se encontrou nesta competição, em termos de finalização. De resto, domingo, no “Caldeirão” do Chiveve, os pupilos de Aleixo Fumo voltaram a denunciar problemas sérios de finalização. Em zonas de definição, os seus avançados não souberam traduzir em golo as inúmeras oportunidades criadas ao longo do encontro. Este é um aspecto que tem preocupado o técnico Aleixo Fumo que, no final do encontro com o Barack Young Controllers da Libéria, a contar para o aceso a “Champions”, lamentou o facto da equipa ter sido bastante perdulária. Nos três encontros realizados esta temporada no Moçambola Zap 2017, o Ferroviário da Beira contabiliza uma vitória, um empate e uma derrota.

Os campeões nacionais começaram com uma derrota com o Desportivo de Nacala, no campo da Bela Vista, por 2-1. Depois, na ronda seguinte, derrotaram a Universidade Pedagógica de Lichinga, por 1-0. Já na quarta jornada, o Ferroviário da Beira empatou com o ENH de Vilankulo a uma bola, num encontro em que até esteve a perder. Maninho, o suspeito do costume, evitou males maiores.

Já o Maxaquene, seu adversário desta noite no ENZ, empatou na estreia com o Ferroviário de Maputo a duas bolas, num embate muito bem disputado. Na segunda jornada, os “tricolores” foram a Tete vencer o Chingale por um a zero.


http://opais.sapo.mz//index.php/desporto/74-desporto/44253-maxaquene-procura-colar-se-ao-lider.html

Leave a Reply

Your email address will not be published.