Isto porque, após serem criadas, as autoridades sanitárias irão administrá-las, primeiro, a idosos e grupos de risco. A informação foi assegurada pela cientista-chefe desta organização, Soumya Swaminathan.“Todos pensamos que no dia 1 de janeiro vai haver uma vacina e que as coisas vão voltar ao normal, mas não é assim. Ninguém nunca produziu a quantidade de vacinas que vão ser necessárias, pelo que em 2021 vamos ter apenas vacinas numa quantidade limitada”, disse. Existe um consenso claro para que os primeiros a serem vacinados sejam os trabalhadores de saúde que estão na primeira linha de combate à pandemia e depois os idosos e as pessoas mais vulneráveis, referiu a especialista para depois acrescentar: “Uma pessoa jovem e saudável terá que esperar até 2022 para ser vacinada”.

Fonte : Folha de Maputo

Leave a Reply

Your email address will not be published.