Expositores presentes na feira Mozgrow consideram que o primeiro dia foi produtivo, pois conseguiram fazer parcerias e vender diversos produtos. Convidam, ainda, as pessoas a participarem no evento, pois estão a vender alguns produtos a preços promocionais.

Hoje, todos os caminhos de homens e mulheres que actuam na cadeia do agro-negócio, no país, davam à Arena 3D, em KaTembe. De regresso às exposições presenciais, os participantes, levaram à feira o seu melhor em termos de produtos e serviços. De Chókwè, o Instituto Superior Politécnico de Gaza foi à Mozgrow mostrar que, mais do que teoria, tem a componente prática no processo de ensino e aprendizagem.

“Conseguimos fazer intercâmbio com a Universidade Pedagógica de Maputo. Eles aproximaram-se ao nosso local de exposição e ficaram impressionados com o processamento de alimentos. Conseguimos vender quantidades significativas de ovos frescos, vendemos, ainda, repolho, feijões entre outros produtos que trouxemos para a exposição”, regozijou Salimo Muchecua, tendo avançado que “há muitos outros produtos que não trouxemos por causa de espaço e dificuldade de movimentação de animais como suínos, mas temos em abundância.”

Da Faculdade de Engenharias e Tecnologias da Universidade Pedagógica de Maputo também foram apresentadas soluções: “Trazemos, aqui, uma capoeira automatizada, através da qual se podem controlar a humidade e a temperatura para garantir que os animais não morram. Temos um sistema de produção de aves e apresentamos galinhas poedeiras, cujos ovos são fertilizados”, referiu António Maquil.

Mas a grande atracção do stand da UP-Maputo foi um bolo feito à base de batata-doce por estudantes. “Escolhemos a batata-doce porque é um tubérculo muito rico em nutrientes. Por ser natural e não ter passado por algum tipo de processamento, faz com que seja benéfico para a saúde. Este bolo é até benéfico para os diabéticos”, disse a estudante Érica Massingue.

No primeiro dia, os produtos frescos estiveram em abundância e a preços aliciantes. Moamba foi um dos distritos que mostraram o seu potencial agrícola. “Apresentamos as nossas riquezas agrícolas e muita gente esteve aqui para comprar os nossos produtos. Esperamos fazer parcerias com supermercados, para que os nossos produtores possam fornecer-lhes esses produtos”, esperançou Maria Elena.

Há quem esteja na feira e tem ambições para além dos limites territoriais de Moçambique. É o caso da Cooperativa de Desenvolvimento Agrário do Sul de Incomáti, que está baseada na Manhiça e Marracuene.  

Uma vez que as mudanças climáticas têm impactado na agricultura, a Syngenta apresentou sementes toleráveis a eventos extremos, mas, mais do que isso, a empresa mostrou a qualidade das plantas oriundas das suas sementes. “Quisemos mostrar para que os agricultores tenham a prova da qualidade dos nossos produtos. Eles ficaram muito felizes e pediram os nossos contactos. Esperamos que, nos próximos tempos, possamos sentir o feedback”, disse Carmona Cossa.

Quem também não escondeu a sua felicidade em participar na feira é Agribusiness System que já começou a fazer parcerias e vendas com os agricultores. “Os produtores gostaram da nossa tecnologia de produção de mudas. Eles já sabem que, com as nossas mudas, a sua produção melhora e tem maiores ganhos”, destacou Gabriel António, da Agribusiness System.

Esta é uma parte de um leque de produtos e serviços que podem ver e adquirir nos diversos stands da IV edição da Mozgrow a preços promocionais.

Fonte:O País

Leave a Reply

Your email address will not be published.