Em visita às infra-estruturas do Projecto “Partilha de Produção” entre Governo e a petroquímica sul-africana Sasol, na província de Inhambane, o Ministro dos Recursos Minerais e Energia, Max Tonela, mostrou-se satisfeito com o nível de execução das obras.

 

O Plano de Desenvolvimento do referido projecto, que visa promover o desenvolvimento da cadeia de valor do gás natural no país e contribuir para o incremento da diversificação da produção nacional, foi recentemente aprovado pelo Governo. O Projecto integra três componentes, nomeadamente, a construção de uma Refinaria de gás natural (que irá produzir 30 mil toneladas de gás de cozinha por ano, substituindo parte da importação, bem como de 40 mil barris de petróleo leve), uma Central Térmica de 450 Megawatts e uma Linha de Transporte de Energia, de Temane a Maputo.

 

Finda a visita havida semana passada, Tonela mostrou-se satisfeito com o andamento dos projectos. “Constatamos que o Projecto está a decorrer conforme o cronograma previsto. Na componente de exploração de reservas, notamos que já foram iniciadas as actividades da campanha de perfuração e prevemos que no primeiro trimestre do próximo ano comecem as obras de construção de infra-estruturas do processamento do gás natural. Na componente de geração de energia, esperamos que, durante o mês de Novembro seja concluído o fecho financeiro e notificado o empreiteiro para o início das obras no primeiro trimestre do próximo ano. Na última componente de infra-estrutura de transporte de energia eléctrica de 560 km, incluindo três subestações em Vilankulo, Chibuto e Marracuene, as obras devem iniciar em Novembro. Os equipamentos estão a chegar a Maputo, parte deles a serem transportados para concluir a ligação entre Chibuto e Maputo”, relatou o Governante.

 

Segundo Tonela, o Projecto vai permitir a criação de emprego durante a fase de construção e operação. Avançou que o pico será de cerca de 6.5 mil oportunidades de emprego, maioritariamente para moçambicanos, durante os três anos de construção, uma vez que a conclusão está prevista para o primeiro semestre de 2024.

 

Por seu turno, o Director-geral da Sasol, Ovídio Rodolfo, lembrou que o Projecto é financiado em 760 milhões de USD. No tocante às perfurações, Rodolfo detalhou que a Sasol iniciou em Agosto último uma campanha de perfuração e recuperação de 23 poços de gás natural. Em termos de reservas, a fonte avançou que a petroquímica espera pouco mais de 600 Triliões de Pés Cúbicos (TCF), quantidade que servirá para a produção de 30 mil toneladas de gás doméstico. (Evaristo Chilingue)

Fonte: Carta de Moçambique

Leave a Reply

Your email address will not be published.