O General Rudzani Maphwanya, Chefe da Força de Defesa da África do Sul, visitou na última quarta-feira a base das forças ruandesas em Cabo Delgado.

 

Maphwanya foi acompanhado pelo Tenente-General Bertolino Jeremias Capetine, Vice-Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas de Defesa de Moçambique e pelo Major-General  Xolani Mankayi, Comandante da Missão Militar da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral em Moçambique (SAMIM).

 

O encontro foi realizado em Mocímboa da Praia, uma importante cidade portuária de Cabo Delgado que já foi sede do grupo terrorista antes de ser capturada pelas forças ruandesas e moçambicanas a 8 de Agosto de 2021.

 

De acordo com um comunicado do Ministério ruandês da Defesa, o General Maphwanya elogiou a cooperação entre as forças nas operações e “instou os comandantes no terreno a manter a boa colaboração existente” visando derrotar o remanescente dos terroristas em Cabo Delgado.

 

A derrota dos terroristas iria garantir o retorno contínuo da população às suas casas e ajudaria a retomar as actividades sócio-económicas, abrindo caminho para uma paz duradoura.

 

O General Maphwanya que é também Presidente dos Chefes de Defesa da Troika da SADC notou que a recente reunião dos Chefes de Defesa da SADC recomendou recursos adicionais à SAMIM que irão aumentar a sua capacidade operacional.

 

“Ele também observou a necessidade de planeamento conjunto e execução rápida de operações conjuntas para derrotar os terroristas”, diz o comunicado. 

 

A delegação do General Maphwanya contou ainda com outros oficiais superiores das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), da  SAMIM e das forças sul-africanas.

 

Em Mocímboa da Praia, a delegação visitante foi recebida pelo Comandante da Força Conjunta (JTFC) Major-General Innocent Kabandana, acompanhado por outros oficiais superiores.

 

O Coronel Ronald Rwivanga, porta-voz das forças ruandesas, disse que a reunião se destinava a simplificar a maneira pela qual as forças conjuntas podem cooperar melhor na luta contra a insurgência” na Província.

 

“Esta foi uma reunião muito positiva em termos de esforços para aumentar o nível de coordenação e cooperação na luta contra o terrorismo”, disse Rwivanga, acrescentando que uma série de reuniões semelhantes com as forças da RSF, FADM e SAMIM têm sido realizadas desde a primeira reunião desse tipo, a 13 de Outubro do ano passado, quando os principais comandantes das três forças concordaram em aumentar a partilha de inteligência.

 

De acordo com o comunicado do Ministério da Defesa, Kabandana “agradeceu a colaboração e cooperação existente entre RSF, SAMIM e FADM nas operações que permitiram a obtenção de alguns bons resultados”.

 

O comunicado refere que Kabandana apreciou a colaboração existente entre RSF, SAMIM e FADM, e também “reiterou a necessidade de planear e realizar operações ofensivas conjuntas para desmantelar as principais bases terroristas actualmente na zona de Chai, do outro lado do rio Messalo, no distrito de Macomia, bem como noutros locais onde os terroristas têm tentado estabelecer novas bases. 

 

No ano passado, depois de serem expulsos de Palma, Mocímboa da Praia e Mueda – regiões de onde as forças ruandesas operam – os terroristas fugiram para o sul e atravessaram o Messalo, um rio que flui através das províncias de Niassa e Cabo Delgado, para o Distrito de Macomia que está no sector sob responsabilidade da força da SADC.  (Carta)

Fonte: Carta de Moçambique

Leave a Reply

Your email address will not be published.