A Agência Espacial Europeia (ESA) iniciou conversas com a empresa de Elon Musk para uso temporário de lançadores da SpaceX. Foguete Falcon Heavy da SpaceX, durante preparação antes do lançamento
Steve Nesius/File Photo/Reuters
A Agência Espacial Europeia (ESA) iniciou discussões técnicas preliminares com a SpaceX, de Elon Musk, que podem levar ao uso temporário de seus lançadores depois que a guerra na Ucrânia bloqueou o acesso ocidental aos foguetes russos Soyuz.
Starlink: por que Elon Musk está lançando milhares de satélites na órbita da Terra
Veja 10 vídeos que resumem 1 ano de turismo espacial
O concorrente norte-americano do Arianespace surgiu como um competidor importante para preencher uma lacuna temporária ao lado do Japão e da Índia, mas as decisões finais dependem do cronograma ainda não resolvido do foguete europeu Ariane 6.
Elon Musk, bilionário dono da Tesla e da SpaceX, em imagem de maio de 2021
Michele Tantussi/Reuters
“Eu diria que há duas opções e meia que estamos discutindo. Uma é a SpaceX que é clara. Outra é possivelmente o Japão”, disse o diretor-geral da ESA, Josef Aschbacher, à Reuters.
“O Japão está esperando o voo inaugural de seu foguete de próxima geração. Outra opção poderia ser a Índia”, acrescentou em entrevista. “A SpaceX, eu diria, é a mais operacional delas e certamente um dos lançamentos de backup que estamos analisando.”
Aschbacher disse que as negociações permanecem em uma fase exploratória e qualquer solução alternativa seria temporária.
A SpaceX não respondeu a um pedido de comentário.
“Chamada de despertar”
Foguete Falcon 9 com a nave Crew Dragon, da SpaceX, durante preparação nesta terça-feira (26)
Steve Nesius/Reuters
A Europa até agora dependia da italiana Vega para pequenas cargas, da russa Soyuz para médias e do Ariane 5 para missões pesadas. A próxima geração Vega C estreou no mês passado e o novo Ariane 6 foi adiado para o próximo ano.
Aschbacher disse que um cronograma mais preciso do Ariane 6 seria mais claro em outubro. Só então a ESA finalizaria um plano de apoio a ser apresentado aos ministros das 22 nações da agência em novembro.
Ele disse que a guerra na Ucrânia demonstrou que a estratégia de cooperação de uma década da Europa com a Rússia no fornecimento de gás e outras áreas, incluindo o espaço, não está mais funcionando.
Estação Espacial Internacional é vista em foto externa enquanto orbita a Terra
NASA/Roscosmos/Handout via REUTERS
“Este foi um alerta, que temos sido muito dependentes da Rússia. E este alerta, temos que esperar que os tomadores de decisão percebam tanto quanto eu, que temos que realmente fortalecer nossa capacidade e independência europeias.”
No entanto, ele minimizou a perspectiva da Rússia cumprir a promessa de se retirar da Estação Espacial Internacional (ISS) após 2024.
“A realidade é que operacionalmente, o trabalho na estação espacial está prosseguindo, eu diria quase nominalmente”, disse Aschbacher à Reuters. “Nós dependemos um do outro, gostemos ou não, mas temos pouca escolha.”

Globo Tecnologia

Leave a Reply

Your email address will not be published.