Educação alimentar é fundamental para minimizar a desnutrição

A educação alimentar e nutricional é fundamental para que os moçambicanos aproveitem o máximo os alimentos que estão ao seu dispor, defenderam hoje especialistas na MOZGROW. A conservação dos alimentos é outro elemento fundamental para que haja saúde entre os consumidores.

No debate sobre alimentos seguros e segurança alimentar, nesta sexta-feira, a oficial de programas da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), Luísa Patrocínio, defendeu que não basta garantir a produção e produtividade dos alimento, é necessário intensificar a educação alimentar e nutricional para que os camponeses aproveitem o máximo daquilo que produzem.

“Nós, por exemplo, vemos que um pequeno camponês tem galinhas, mas os ovos não são comidos por aqueles que mais precisam. Por exemplo, as crianças e as mulheres gravidas. Por questões culturais, os ovos são dados aos homens, aos chefes da família. São estas questões que estão a ser trazidas para se melhorar o uso dos alimentos”, disse a oficial de programas da FAO.

Por sua vez, o agrónomo Khalid Cassam entende que para a produção agrícola global ser sustentável é preciso não só formar o agricultor mas também, criar condições para que ele tenha dinheiro para fazer face aos efeitos negativos das calamidades naturais.

“Como manter a sustentabilidade? É fundamental que um agricultor tenha mais conhecimento e tenha mais capacidade financeira para poder fazer face às diferentes intempéries e diferentes condições que temos na produção agrícola”, defendeu o agrónomo.

Já Mário Mujovo, oficial da Promoção de Segurança Alimentar e Nutricional, SETSAN, entende que a falta de água é um elemento a ter em conta quando se fala do melhor aproveitamento dos alimentos.

“Temos a outra face que é o problema de saneamento do meio, com os problemas da falta de água, então esses problemas entram em cadeia nessa fase da desnutrição crónica”, referiu o oficial da Promoção de Segurança Alimentar e Nutricional, SETSAN.

Através de uma plataforma digital, Ana Paula Thuzine, chefe do departamento de saúde ambiental na Direcção Nacional de Saúde Publica, reforçou a ideia da necessidade de se ter alimentos saudáveis, afirmando que é importante que estes sejam bem conservados em toda a cadeia de valor.

“As praticas que preservem a qualidade dos alimentos é que vão contribuir para que tenhamos uma alimentação segura, isto é, alimentos nutritivos e seguros que não possam causar algum problema de saúde ou agravar o estado da saúde das pessoas”, defendeu a representante da Direcção Nacional de Saúde Pública.

 

Fonte:O País

Leave a Reply

Your email address will not be published.