A empresa de consultoria especializada em risco Control Risks (www.controlrisks.com) e a Oxford Economics Africa anunciaram ontem o lançamento da sexta edição do Índice de Risco-Recompensa de África.  O Índice é um guia preciso para decisores políticos, líderes empresariais e investidores.  O relatório acompanha a evolução do panorama do investimento nos principais mercados africanos e apresenta uma perspetiva fundamentada e a longo prazo das principais tendências que moldam o investimento nestas economias.

 

África ainda se encontra no meio da pandemia de COVID-19, com a implementação da vacinação a progredir lentamente e com prováveis novas ondas de infeções. As pontuações de risco-recompensa deste ano pintam um quadro de um continente em recuperação, embora de forma irregular e, por vezes, imprevisível, o que levanta tanto desafios como oportunidades.

 

As pontuações de recompensas aumentaram em todo o continente, em alguns casos substancialmente, mas as pontuações de risco mostram um quadro mais variado. As duas nem sempre estão alinhadas; por exemplo, o resultado das recentes eleições gerais da Zâmbia é o motor por detrás de uma melhoria significativa na sua pontuação de risco, mas a recuperação do país continua a ser dificultada pela atual crise da dívida.

 

Esta recuperação está também a ocorrer em meio ao cenário geopolítico de uma recalibração das relações de África com o resto do mundo. Esta edição de 2021 do Índice de Risco-Recompensa de África analisa este panorama complicado. Explicamos como as respostas governamentais a três questões-chave (cuidados de saúde pós-pandemia, dívida e insegurança) podem acelerar ou estagnar a recuperação económica de África.

 

Os três artigos analisam estas questões-chave em pormenor, assinalando riscos e oportunidades emergentes destas tendências-chave. Embora os riscos e recompensas exatos de qualquer investimento variem muito conforme o setor e o projeto, este relatório pretende ser um ponto de partida para a discussão, para ajudar a desafiar preconceitos e estabelecer prioridades para uma análise mais ampla.

 

O Boom da Biotecnologia

 

A COVID-19 destacou uma vulnerabilidade na África que foi causada pela dependência do continente em relação à assistência externa quando se trata de cuidados de saúde e biotecnologia. Mesmo quando os governos africanos reagiram à pandemia, muitas vezes com uma rapidez impressionante, os testes e o tratamento foram restringidos pela falta de capacidade.

 

A implementação da vacinação está a progredir lentamente devido a restrições de abastecimento, uma vez que o resto do mundo compra grandes quantidades de doses para uso interno. Este artigo analisa a forma como estes desafios têm motivado novos esforços para desenvolver a capacidade africana nas áreas da saúde e da biotecnologia e como estes esforços estão a lançar os alicerces daquilo que promete ser uma indústria extremamente empolgante.

 

“A implementação global da vacinação tem sido extremamente pobre, com a distribuição desigual de vacinas levantando objeções tanto morais como médicas. No entanto, o único ponto positivo é que os desafios que a África tem enfrentado na obtenção não só de vacinas, mas também de toda uma gama de equipamentos e tratamentos têm estimulado a inovação e impulsionado investimentos significativos na biotecnologia africana e na capacidade tecnológica em matéria de saúde.

 

A emergência de um setor biotecnológico africano tem um enorme potencial muito para além da pandemia COVID-19 e muito para além das simples aplicações de cuidados de saúde”, afirma Barnaby Fletcher, Diretor Associado da Control Risks.

 

A capacidade de sequenciação do genoma está atualmente a ser estabelecida na Libéria, Nigéria, Senegal e Serra Leoa. Existem várias iniciativas para aumentar a capacidade do continente para desenvolver e fabricar vacinas, incluindo um centro de transferência de tecnologia de vacinas RNAm na África do Sul e instalações de fabricação no Egito, Marrocos e noutros locais.

 

Tem havido uma proliferação de laboratórios, capacidades de testagem e soluções digitais de testagem e rastreio transfronteiriças. Embora estes desenvolvimentos possam ter sido impulsionados pela COVID-19, a sua aplicação não se limita apenas à atual pandemia ou mesmo apenas aos cuidados de saúde. O crescimento de uma indústria biotecnológica em África oferece enormes oportunidades aos investidores em todo o continente e em múltiplos setores.

 

Descodificando a crise da dívida em África

 

A África enfrenta uma nova crise da dívida, com a razão da dívida/PIB do continente como um todo em 2020 atingindo o seu nível mais elevado em duas décadas. Inseridos neste contexto inquietante estão casos ainda mais preocupantes, como a Zâmbia, que se tornou o primeiro país a não pagar a sua dívida durante a COVID-19 no final do ano passado. O peso da dívida da África não foi alimentado pela pandemia da COVID-19, mas foi agravado por esta, e o custo do seu serviço desviará recursos fiscais que deveriam ser utilizados para apoiar a recuperação pós-pandemia do continente.

 

De acordo com François Conradie, Economista Político Principal da Oxford Economics Africa: “O peso da dívida africana tem aumentado significativamente ao longo dos últimos 18 meses, à medida que os governos têm contraído empréstimos para financiar tanto a sua resposta sanitária à COVID-19 como medidas de estímulo destinadas a diminuir o impacto económico da pandemia. O ambiente atual de taxas de juro baixas faz com que a dívida pareça controlável, mas agora o governo dos EUA tornou explícito que a contagem regressiva para a retirada gradual do estímulo monetário começou. Quando os banqueiros centrais de todo o mundo começarem a aumentar as suas taxas, os governos africanos serão confrontados com perguntas para as quais não têm respostas fáceis.”

 

Este peso da dívida representa riscos tanto para as economias como para as empresas. A obrigação de pagar essa dívida irá colocar pressão sobre as empresas estatais e tenderá a limitar as oportunidades para as empresas do setor privado que fazem negócios com o governo. As opções para a reestruturação ou pagamento desta dívida são limitadas, mas algumas soluções inovadoras estão a ser discutidas e testadas. Novas conexões sociais e mecanismos regionais de financiamento não oferecerão um substituto rápido para uma boa gestão fiscal, mas podem ajudar a reduzir a ameaça que tais dívidas representam e oferecer novas oportunidades aos investidores.

 

Impacto da intervenção militar em África

 

A retirada dos EUA do Afeganistão em agosto parecia confirmar uma ideia há muito discutida: que o mundo ocidental já não tem o apetite político para intervenções militares estrangeiras. Isto é tão verdade em África como noutros locais. Os EUA retiraram-se da Somália em janeiro, enquanto a França anunciou planos para reduzir a sua presença militar em Sahel. Isto acontece numa altura em que uma escalada da militância e das tensões no Corno de África torna o ambiente de segurança do continente mais volátil do que tem sido em décadas.

 

Na ausência de intervenções militares estrangeiras, as novas abordagens tomadas para enfrentar estas ameaças à segurança moldarão o panorama de segurança do continente. Os próximos anos serão provavelmente imprevisíveis, com atores africanos e externos a tentarem novas estratégias.

 

Na melhor das hipóteses, estas assumem a forma de cooperação regional, como a observada na intervenção da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) em Moçambique, ou mesmo reavaliações completas sobre a forma de combater a militância. Na pior das hipóteses, as ações unilaterais irão aumentar as tensões à medida que os países procuraram estabelecer-se como potências de segurança, impulsionando, a título de exemplo, a atual corrida ao armamento entre Marrocos e a Argélia. Este artigo revela a dinâmica em mudança da assistência militar em África e examina o que isso significa para o ambiente de segurança no qual os investidores precisam atuar. (Carta)

Fonte: Carta de Moçambique

Leave a Reply

Your email address will not be published.