Os países participantes da conferência climática COP28 estão a considerar pedir uma eliminação formal dos combustíveis fósseis como parte do acordo final da cúpula da ONU para combater o aquecimento global, mostra um rascunho do texto de negociação visto nesta terça-feira.

 

A proposta certamente provocará um debate acalorado entre os quase 200 países participantes da conferência de duas semanas em Dubai, com os governos ocidentais pressionando para que a linguagem seja incluída, enquanto os produtores de petróleo e gás estão ansiosos para deixá-la de fora.

 

Uma investigação publicada na terça-feira mostrou que as emissões globais de dióxido de carbono provenientes da queima de combustíveis fósseis deverão atingir um máximo histórico este ano, alimentando preocupações entre os cientistas de que os esforços para combater as alterações climáticas não são suficientes para evitar os seus piores impactos.

 

O rascunho do que poderia ser o acordo final da COP28, divulgado pelo órgão climático da ONU na terça-feira, propunha “uma eliminação ordenada e justa dos combustíveis fósseis” que, se adoptada, marcaria o primeiro acordo global para acabar com a era do petróleo.

 

No palco principal da COP28, os CEO de várias grandes empresas de energia defenderam o petróleo e o gás, destacando os seus progressos em áreas como a redução do gás com efeito de estufa metano.

 

“Somos grandes e podemos fazer grandes coisas. Podemos entregar resultados e teremos que relatá-los muito em breve”, disse Jean Paul Prates, CEO da Petrobras. “A transição energética só será válida se for uma transição justa”, acrescentou.

 

O CEO da TotalEnergies, Patrick Pouyanne, disse que uma transição do petróleo e do gás levaria muito tempo “por isso precisamos absolutamente produzir petróleo e gás de uma forma diferente, reduzindo as emissões. E podemos fazê-lo, temos a tecnologia”. “É claro que tem um custo”, disse ele, “mas faz parte da nossa licença para operar, eu diria, para o futuro”.

 

Pelo menos 2.400 “lobistas” de combustíveis fósseis inscreveram-se para a cúpula deste ano, mostrou uma análise dos dados de registo da ONU, publicada pela Kick Big Polluters Out. Os lobistas superaram em número os 1.609 delegados dos 10 países mais vulneráveis ao clima combinados, disse a coligação internacional de grupos de activistas climáticos.

 

Activistas climáticos organizaram vários pequenos protestos contra a presença da indústria de combustíveis fósseis no amplo recinto da conferência. As Ilhas Marshall, entretanto, apresentaram um plano nacional para se adaptarem à subida do nível do mar, um reconhecimento de que os impactos do aquecimento já estão a atingir as suas costas. (Reuters)

Fonte: Carta de Moçambique

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *