A MÚSICA é uma das artes escolhidas para combater a exploração de menores, que constitui uma das principais preocupações da Organização das Nações Unidas (ONU).

Neste contexto, a ONU declarou 2021 como “Ano Internacional para a Eliminação do Trabalho Infantil” e encontra-se a promover um concurso musical para consciencializar as comunidades sobre a mesma matéria.

O certame é conduzido pela organização musical juvenil Global Jeunesses Musicales International (JML), em colaboração com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), sob a égide da Iniciativa Música Contra o Trabalho Infantil.

A campanha deverá proporcionar uma oportunidade de abordar os desafios colocados pela Covid-19 e acelerar o progresso em direcção à meta estabelecida de acabar com este mal em todas as suas formas até 2025.

No mesmo diapasão, será realizada, no próximo ano, na vizinha África do Sul, a V Conferência Global sobre Trabalho Infantil (VGC).

O concurso é abrangente e nele podem concorrer músicos de todos os géneros, desafiados a enviar uma música que inspire governos e partes interessadas a enveredar esforços para eliminar o trabalho infantil, que embora tenha diminuído em quase 40 porcento nas últimas duas décadas, a pandemia daCovid-19 ameaça reverter esse progresso.

A ONU indica que esta prática afecta a quase uma em cada dez crianças de todo o mundo.

Os artistas interessados podem entrar na competição nas categorias de base, global e algodão transparente, nomeadamente. 

A primeira, está virada para crianças/jovens, organizações, escolas, programas de educação não formal e crianças afectadas ou em risco de trabalho infantil e, neste sentido, as canções devem ser de esperança e que visam empoderar as comunidades e aumentar a consciencialização sobre este assunto (projectos que envolvam crianças e jovens e que podem ser em colaboração com músicos estabelecidos).

Já, a segunda categoria destina-se à orquestras, coros, conjuntos, bandas ou solistas, com títulos que inspirem esperança e uma vida melhor para as crianças que sofrem com este mal, conclamando os governos e todas as partes interessadas a agir.

Por sua vez, a categoria de algodão transparente foi desenhada para músicos de todas as formações, profissionais e amadores, de qualquer idade, de Burkina Faso, Mali, Paquistão ou Peru .

Neste ponto, as entradas devem ser canções destacando esteassunto no contexto do Projecto Algodão CLEAR da OIT, co-financiado pela União Europeia (UE) e que visa erradicaro trabalho infantil e forçado nas cadeias de valor do algodão, têxteis e confecções, nos países destacados.

Para serem consideradas para esta categoria, as músicas candidatas devem estar relacionadas ao projecto CLEAR Cotton e haverá um prémio concedido a um vencedor de cada um dos quatro países.

As inscrições serão revisadas pelo premiado compositor AR Rahman e outros artistas do mundo musical.

Os vencedores serão seleccionados por um painel de especialistas técnicos e musicais, com base, no que tange à “qualidade musical, relevância da mensagem, originalidade da música e inclusão de uma chamada à acção”. também serão laureados com o valor monetário de mil euros (mais de 90 mil meticais).

O prémio também compreende um patrocínio para a gravação de um videoclipe da música concorrente, com a oportunidade de a mesma fazer parte do evento mundial do Dia Mundial contra o Trabalho Infantil em Junho de 2021.

Fonte:Jornal Notícias

Leave a Reply

Your email address will not be published.