O chefe do Departamento das Bacias Hidrográficas na DNRH, Agostinho Vilanculos, citado pelo diário Notícias, afirmou que as barragens do centro e sul do país têm reservas acima de 75% e as do norte estão cheias (100%).Vilankulo assinalou que há reservas suficientes para o fornecimento de água potável às zonas urbanas e irrigação, num país onde metade dos 30 milhões de habitantes tem acesso a água potável.O cenário de barragens cheias contrasta com o que se passou há cerca de dois anos, em que até Maputo, capital moçambicana, enfrentou limitações no fornecimento de água devido à redução das reservas para menos de metade , na sequência da seca que assolou o sul do país.Agora, aquele responsável alerta para a necessidade de uma contínua racionalização de água na cidade de Nampula, no norte, zona mais populosa do país, uma vez que a barragem que alimenta a urbe é pequena e não retém água suficiente.”Nampula é uma barragem pequena, com cerca de quatro milhões de metros cúbicos por ano para satisfazer 700 mil pessoas. Assim, só consegue disponibilizar água para quatro meses”, declarou Agostinho Vilankulo.A cidade, prosseguiu, precisa de 24 milhões de metros cúbicos por ano, um défice que está na origem da crónica falta de água.Noticias ao Minuto

Fonte: Folha de Maputo

Leave a Reply

Your email address will not be published.