Empresa diz que clientes impactados estão sendo notificados das alterações, serão reacomodados em outros voos da própria companhia e receberão assistência. Trecho de comunicado da Azul a funcionários
Reprodução
O aumento de casos de Covid e de influenza em todo o país começa a impactar os voos e as operações da Azul. A empresa aérea é a líder em transportes de passageiros no Brasil nos últimos 12 meses, segundo dados da Agência Nacional de Transporte Aéreo (Anac).
Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram
“Nos últimos dias, começamos a ser afetados por um alto número de dispensas médicas, tanto no grupo de voo quanto em nossos times de solo, Azulcenter [central de atendimento da empresa] e demais áreas administrativas. Por conta disso, os próximos dias serão mais desafiadores para nossa operação como um todo e já começamos a realizar alguns ajustes para enfrentar essa situação”, disse nesta quarta-feira (5) o presidente da empresa, John Rodgerson, em comunicado distribuído a funcionários a que o g1 teve acesso.
As dispensas ocorrem diante da necessidade de isolamento de tripulantes com síndromes gripais como Covid-19, em meio ao avanço da variante ômicron, e do vírus H3N2 da influenza.
Brasil registra 27,5 mil novos casos de Covid em 24h; média móvel vai a 12,3 mil por dia
Entenda o que é a dupla contaminação por Covid e gripe
Influenza ou Covid? Especialistas explicam diferenças
O texto da Azul diz ainda que o número alto de dispensas médicas “está afetando diversos setores da economia, não só no Brasil, mas em outros países”. Rodgerson reforça o fato de a empresa não ter nenhum tripulante internado graças à vacinação e ao fato de a variante ômicron ser, aparentemente, menos agressiva que as anteriores. O presidente da Azul pede ainda para que os funcionários sigam se vacinando e tomando medidas de proteção, como uso de máscaras e protocolos de higiene.
Outro comunicado interno da empresa obtido pelo g1 aponta que ao menos 17 voos tiveram redução no número de passageiros em razão da falta de tripulantes. Em 12 voos com aviões modelo Airbus A320, segundo o informe, o número máximo de lugares foi de 150; a aeronave transporta até 174 passageiros.
Já em cinco voos com os modelos Embraer E-195, o máximo foram 100 passageiros; a capacidade do avião é de 118 passageiros.
Nesses 17 voos, o ajuste resultou na necessidade de reacomodação de cerca de 250 passageiros em outros voos.
O g1 submeteu os dois comunicados à assessoria de imprensa da Azul. A empresa disse que os clientes impactados estão sendo notificados das alterações nos voos e serão reacomodados em outros voos da companhia, além de receber a assistência prevista nesses casos pela Anac –avisar os passageiros com 72 horas de antecedência, oferecer alternativas de reacomodação ou reembolso integral.
“A Azul informa que por razões operacionais alguns de seus voos do mês de janeiro estão sendo reprogramados. A companhia registrou um aumento no número de dispensas médicas entre seus tripulantes e tem acompanhado o crescimento do número de casos de gripe e Covid-19 no Brasil e no mundo para poder tomar as medidas necessárias. Os clientes impactados estão sendo notificados das alterações e serão reacomodados em outros voos da própria companhia, além de receber toda a assistência necessária conforme prevê a resolução 400 da Anac.”
Entre as outras duas maiores empresas do setor aéreo, a Gol informou aos comissários de bordo a necessidade de medidas de proteção contra o vírus da influenza e Covid-19. “Precisamos muito fazer a nossa parte tomando todas as medidas necessárias para nos proteger”, diz texto, em uma rede interna, assinado pela gerente de tripulação comercial. (veja abaixo)
Procurada pela reportagem, a Gol disse que “houve nos últimos dias um aumento dos casos positivos entre colaboradores, mas nenhum voo foi cancelado ou sofreu alteração significativa por este motivo”.
A empresa informou que os funcionários que apresentam resultado positivo “estão sendo afastados das funções para se recuperarem em casa com segurança”. A companhia acrescentou ainda que 100% dos seus colaboradores estão vacinados.
Em relação as clientes, os casos positivos reportados antes do embarque estão sendo tratados com três opções oferecidas aos passageiros: cancelamento com o reembolso do valor total; cancelamento, mas com o valor total deixado como crédito para futuras compras; ou remarcação sem custos adicionais.
Trecho de comunicado da Gol
Reprodução
Procurada, a Latam informou que, “por enquanto, ainda não foi necessário alterar seus voos diante do aumento no número de casos de Covid e de influenza na população brasileira”. A companhia disse ainda que “segue atenta a esse cenário, que está mudando rapidamente em virtude da variante ômicron”.
A empresa ressaltou que, “independentemente do motivo, todo passageiro com voo alterado pela Latam pode sempre remarcar o seu voo sem multa e diferença tarifária ou solicitar o reembolso sem multa diretamente em Minhas Viagens > Administrar suas viagens”.
Além disso, a companhia acrescentou que “continua a permitir que passageiros diagnosticados com Covid-19 possam remarcar uma vez a data de sua viagem sem multa, mas pagando diferença tarifária (se houver). O cliente poderá viajar a partir de 14 dias após o diagnóstico da doença ou certificando que não está mais na fase de contágio”.
Em nota, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) afirmou que as suas associadas “não tiveram ainda necessidade de remanejamentos de malha expressivos por contágio gerado pela variante ômicron da Covid-19”.
A entidade acred que faz um monitoramento constante e ressalta que praticamente 100% dos e tripulantes e funcionários de terra das empresas associadas estão com o ciclo vacinal completo.
Caos global
Passageira no aeroporto americano de LaGuardia, em 24 de dezembro; necessidade de isolar tripulantes por conta da covid-19 tem forçado cancelamento de voos, principalmente na China e nos EUA
Getty Images
No mundo, o avanço da variante ômicron em meio à necessidade de isolar tripulantes potencialmente infectados levou a milhares de atrasos ou cancelamentos, a maioria deles em aeroportos dos EUA e da China, entre o Natal e o Ano Novo.
Mais de 3,6 mil voos foram cancelados em 2 de janeiro, por exemplo, segundo o levantamento do site FlightAware. O principal motivo para os cancelamentos foi o alto número de comissários de bordo, pilotos e funcionários em geral das companhias aéreas que não puderam trabalhar por estarem infectados com Covid-19.
Veja o VÍDEO abaixo sobre os casos de ômicron no Brasil
Variante ômicron já é responsável pela maioria dos casos de covid no Brasil



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published.