“O que África fizer com a agricultura vai determinar o futuro da alimentação no mundo, porque 65% de toda a terra arável que não está ainda cultivada está em África”, disse Akinwumi Adesina na sexta-feira ao final do dia, na conferência de imprensa de encerramento dos encontros anuais do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), que decorreram esta semana em Acra, capital do Gana.Para o banqueiro, “África deve tornar-se a solução para a crise alimentar global” e o BAD está a apostar na agricultura africana, para garantir que, mesmo enquanto lida com a atual emergência alimentar, África impulsiona a transformação estrutural da agricultura.”Oque África fizer com a agricultura vai determinar o futuro da alimentação no mundo, porque 65% de toda a terra arável que não está ainda cultivada está em África”, disse Akinwumi Adesina na sexta-feira ao final do dia, na conferência de imprensa de encerramento dos encontros anuais do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), que decorreram esta semana em Acra, capital do Gana.Para o banqueiro, “África deve tornar-se a solução para a crise alimentar global” e o BAD está a apostar na agricultura africana, para garantir que, mesmo enquanto lida com a atual emergência alimentar, África impulsiona a transformação estrutural da agricultura.Na segunda-feira, primeiro dia dos encontros do BAD, Adesina mostrou-se confiante de que África vai conseguir evitar a crise alimentar iminente com esse apoio.O plano visa responder aos desafios que a guerra na Ucrânia provocou em África, “especialmente em termos dos elevados preços da energia, elevados preços dos fertilizantes e perturbações nas importações de alimentos”, explicou Adesina.”Com 30 milhões de toneladas de importações de alimentos, especialmente trigo e milho, que não chegarão da Rússia e da Ucrânia, África enfrenta uma crise alimentar iminente”, lembrou o banqueiro, para justificar a iniciativa do BAD.

Fonte : Folha de Maputo

Leave a Reply

Your email address will not be published.