Li e reli atentamente a missiva do Doutor Hélder Martins e só vi um vasto tomateiro a perder-se de vista. De resto uma produção industrial de tomates bigs, maduros e pendurados dois a dois no lugar certo. Naturais. Daqueles que é preciso ser um grande ‘Chef’ para entendê-los. E este é o nosso grande problema: compreender tomates. 

 

Acho que a presidência devia contratar Agrónomos que entendem de horticultura, com especialização em ‘solanum lycopersicum’ vulgo tomates. Assim, evitariamos que os melhores cultores de tomates deste país fossem amordaçados pelos cães do palácio depois de oferecerem os seus produtos ao Presidente da República. É preciso que esses rafeiros da corte entendam que existem muitos tipos de tomates neste país e cada um com as suas funções. E quando chegarmos nesse nível, começaremos a rebater os argumentos dos outros também com argumentos nos nossos debates e análises. 

 

Ora, a carta do Doutor Hélder Martins levanta questões que a opinião pública sempre discutiu. Os porquês de uma Comissão oculta e muda? Até que ponto as decisões sobre a gestão da pandemia estão em consonância com os pareceres e propostas da Comissão? Qual é a cientificidade daqueles artigos dos decretos. Está cena do recolher obrigatório iniciar as 21 horas, quando alguns serviços fecham um hora antes, discutimos aqui a sua eficácia. 

 

Mas, o mais importante para uma certa ala é debater a idade do emissor, a sua barba e raça, as suas ambições políticas, a sua pontaria e quantos colonos matou, os seus diplomas, os seus estudos, etecetera. Hoje, o velhote já foi descondecorado e lhe retirado o título de ‘herói vivo’. Só falta dizerem que está a financiar a Junta Militar e os insurgentes. 

 

As reações do partidão dão conta que o Doutor Hélder Martins não vai fazer falta à Comissão Técnico-Científica e que a mesma vai continuar a existir. Não há dúvida quanto a isso, foi o próprio Doutor Hélder quem disse isso na sua carta. Nenhuma daquelas individualidades faz falta àquela Comissão. Só faz falta quem é considerado e levado em conta. Aquela Comissão pode existir com alunos da Josina, Polana, Maxaquene, Malhangalele e por aí. Porque ela existe para inglês ver. Qualquer pessoa que conhece fotossíntese tem lugar ali. 

 

Fico feliz por participar desta feira de hortícolas promovida pelo Doutor Hélder Martins. Afinal, há bons cultores e apreciadores de tomates aqui na banda. Inspira-nos a eliminarmos aquele velho problema de excesso de nabos e escassez de tomates. Um dia este gráfico vai mudar. 

 

– Co’licença!

Fonte: Carta de Moçambique

Leave a Reply

Your email address will not be published.