Football

No dia em que o Costa do Sol comemorava 62 anos de existência, recebeu o presente indesejado em Nacala, ao sofrer uma derrota por duas bolas sem resposta

Se a decisão do título não tivesse sido definida na jornada anterior, seria nesta que o Costa do Sol diria adeus ao título, uma vez que não consegue ter uma ponta final consistente. Na sua deslocação a Nacala, perdeu por duas bolas sem resposta, justamente no dia que a colectividades comemorava os seus 62 anos de vida como equipa. Ainda assim, não perde a sua segunda posição e o título de vice-campeã nacional, ainda que sonhe com a salvação da época, com a conquista da Taça de Moçambique. Foi, de resto, uma derrota que não deixou conformado Nelson Santos e seus pupilos, uma vez que o principal objectivo eram os três pontos, para reduzir o fosso pontual com o virtual campeão nacional, a União Desportiva de Songo, que soma 63 pontos. União Desportiva de Songo que na deslocação a Chibuto conseguiu arrancar um empate sem abertura de contagem, seguindo o seu slogan definido por Chiquinho Conde para esta recta final, nomeadamente “continuar na senda dos bons resultados”. Chiquinho Conde que voltou a assegurar, no final do jogo, que “se não dá para vencer, também não dá para perder”, mostrando-se feliz com a conquista do ponto diante dos “guerreiros” de Gaza. Artur Semedo não falou ao canal oficial do Moçambola ZAP, a Stv Notícias. Maxaquene volta a perder Depois de ter perdido na deslocação a Nacala, diante do Ferroviário local para a 27.ª jornada, os “tricolores” venceram na jornada passada, dando mostras de recuperação para a etapa final. Mas depois da derrota do Chingale de Tete diante do Ferroviário da Beira, numa partida de atraso, que confirmou a despromoção dos “canarinhos” de Tete e a “salvação” do Maxaquene na alta roda do futebol moçambicano, eis que a turma de Antoninho Muchanga voltou a baquear nesta jornada, ao perder na Matola frente à Liga Desportiva de Maputo por duas bolas sem resposta. Telinho apontou os dois golos que deram vitória a sua equipa e que permitiram subir na lista dos melhores marcadores do Moçambola ZAP. Quem também venceu nesta jornada é o Ferroviário da Beira na recepção ao Textáfrica do Chimoio por 3-1. Dayo, Andro e Maninho foram os autores dos golos dos “locomotivas” de Chiveve, enquanto Manecas apontou o tento de honra dos “fabris” de Planalto. Na partida entre dois despromovidos, quem secou as lágrimas do desconsolo foi o Chingale de Tete, que derrotou a Associação Desportiva de Macuácua por duas bolas sem resposta, com golos de Jone e Dércio. Uema ainda falhou uma grande penalidade aos 92 minutos para a sua equipa. Nando salva Desportivo de Nacala Na Machava, o Desportivo de Nacala foi salvo de uma derrota pelo guarda-redes suplentes Nando, que no início da partida entrou para o lugar de Gervásio. E foi o salvador das muitas investidas dos avançados do Ferroviário de Maputo. Aliás, os “canarinhos” de Nacala foram os primeiros a marcar por intermédio de Edgar aos 47 minutos, mas Luís acabou por restabelecer a igualdade aos 64 minutos. O outro Ferroviário, o de Nampula, já sem o “seu” Arnaldo Salvado, recebeu e venceu a já despromovida UP de Lichinga por uma bola sem resposta. A próxima jornada, sem ter algo de especial, vai ser apenas de consagração da festa de campeão nacional a União Desportiva de Songo, na sala que vai fazer ao Ferroviário de Nacala, antes da partida da final da Taça de Moçambique, diante do Costa do Sol.

Fonte: http://opais.sapo.mz//index.php/desporto/74-desporto/47044-a-prenda-do-costa-do-sol-vinda-de-nacala.html

Leave a Reply

Your email address will not be published.