De acordo com o ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, a dívida pública de Moçambique é actualmente de 12,37 mil milhões de dólares americanos, dos quais cerca de 16 por cento é devido à China.

 

Falando ontem na Assembleia da República, e respondendo a uma pergunta do principal partido da oposição, Renamo, sobre quanto dinheiro é devido à China, Maleiane estimou o montante em 2,02 bilhões de dólares. A grande maioria deste montante, 1,97 mil milhões de dólares, é devida ao Exim Bank Chinês, e foi principalmente utilizada para pagar estradas e pontes, incluindo a Circular de Maputo, a ponte suspensa sobre a Baía de Maputo e as estradas a sul da ponte até a fronteira com a província sul-africana de Kwazulu-Natal.

 

Do total de 12,37 bilhões de dólares da dívida pública, 9,85 bilhões são dívida externa e o restante dívida interna, obtida por meio de títulos do tesouro com alta incidência de juros. 4.35 bilhões de dólares da dívida externa são devidos a instituições multilaterais como o Banco Mundial e o Banco Africano de Desenlvimento (ADB).

 

Maleiane disse que as dívidas das empresas fraudulentas de segurança Proindicus e MAM (Mozambique Asset Management) foram excluídas da dívida pública. Estas são duas das empresas que contraíram empréstimos junto dos bancos Credit Suisse e VTB da Rússia em 2013 e 2014, com base em garantias de empréstimos ilícitos emitidas pelo governo da época, sob o então Presidente Armando Guebuza. As garantias, para o que se passou a denominar “dívidas ocultas”, foram na sua maioria assinadas pelo então Ministro das Finanças, Manuel Chang, procurado tanto em Moçambique como nos Estados Unidos pela sua participação na fraude.

 

Os dois casos estão agora nos tribunais de Londres. Moçambique está processar o Credit Suisse por causa do empréstimo do Proindicus, e o VTB está processar o estado moçambicano pelo empréstimo do MAM (apesar da promessa do VTB em 2019 de que nunca daria um ultimato a um “país amigo” como Moçambique).

 

Maleiane afirmou que as relações actuais de Moçambique com o Fundo Monetário Internacional são “excelentes”. Admitiu que, em 2016, quando se tornou clara a verdadeira escala das dívidas ocultas, “o FMI poderia ter-nos punido por declaração incorreta” – ou seja, por ocultar a verdade sobre a dívida de Moçambique.

 

Mas a única acção do FMI foi suspender seu programa com Moçambique. “O país tem feito tudo para merecer a confiança de seus parceiros”, disse Maleiane. Os empréstimos continuam a chegar, acrescentou ele, principalmente do Banco Mundial.(AIM)

Fonte: Carta de Moçambique

Leave a Reply

Your email address will not be published.